Skip to content

A recém-nascida militância de direita

outubro 18, 2010

As eleições presidenciais de 2010 marcam uma grande novidade no eleitorado
brasileiro: o crescimento da militância de direita. Antes de perder sua aura
com o desgaste natural de ser situação e, claro, com o escândalo do mensalão, o
maior capital político do PT era a sua capacidade de mobilização de militância
na rua. Eu me lembro da eleição de João Paulo para prefeito de Recife em 2000,
quando a eleição foi para um segundo turno extremamente improvável (o prefeito
do PFL começou liderando as pesquisas para a sua reeleição com mais de 60% dos
votos). A chance de uma virada épica ficou menos delirante e a torcida, quer
dizer, a militância foi para a rua como se estivesse indo para uma Final de
Copa. Inclusive, a apuração pareceu uma Final decidida nos pênaltis, com uma
diferença de uns 0,5% e acompanhada ao vivo por milhares de pessoas no Marco
Zero.

Bem, a direita não tem exatamente isso nem imagino que venha a ter.
Alguém consegue imaginar o pessoal da TFP se aglomerando numa praça para
acompanhar a apuração pelo rádio? Ou uma posse festiva e triunfal como aquela
do Lula em 2002? No máximo, pelo andar da campanha do Serra, deve rolar uma
missa e, se ele continuar nessa linha, em latim, seguindo o rito trindentino.
(Claro que os tucanos podem celebrar a assepsia da posse como algo mais digno da
liturgia do cargo, mas, no fundo, bem que gostariam ser carregados nos braços
do povo…) Mas, mesmo sem festa, mesmo sem a satisfação de defender
ardorosamente alguma idéia (Serra não tem nenhuma), a direita agora tem sua
militância. Ela não surgiu por força de uma nova idéia ou pelo aparecimento de um novo líder carismático, mas sim pelas facilidades da tecnologia. Uma das maiores forças dessa campanha se mede nos gigabytes de boatos e terrorismos trocados por emails. Agora, sem ter que sair de casa e sem precisar entrar em contato com o povão suado as Reginas Duarte Reloaded
podem fazer campanha para o candidato da família cristã. E, principalmente, sem
precisar pensar por conta própria, porque basta ler o email, se assustar e
apertar o botão Reencaminhar. A gente lá na eleição de JP às vezes tentava
convencer um por um, argumentando. Agora, nem isso é mais necessário.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: